quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Emprego - Curso de Ciências Contábeis

Informações da vaga
- CLT;
- Salário compatível com o mercado mais benefícios (VT e VR);
- Horário de segunda a sexta-feira das 08:00 as 17:30 com 1:30 de almoço.

Pré-requisitos:
- Necessário possuir disponibilidade para viajar dentro do estado e habilitação;
- Ter carro próprio será um diferencial;
- Técnico Contábil completo ou Curso Superior em Ciências Contábeis cursando a partir do 2º ano ou concluído;
- Experiência na área comercial ou de relacionamento.

Atribuições da vaga:
- Responder pela proximidade com os clientes da carteira;
- Planejar e executar as visitas periódicas;
- Realizar o levantamento das necessidades e geração de novas oportunidades de negócios;
- Realizar o processo de pós-venda;
- Monitorar a satisfação dos clientes e plano de ação para retenção dos mesmos;
- Elaborar relatórios e atas de reunião.

Características pessoais:
- Boa relação interpessoal;
- Organização e dinamismo;
- Boa comunicação oral e escrita;
- Facilidade para lidar com administração de conflitos;
- Provedor de soluções.

Aos interessados por gentileza solicitar o envio do currículo ao e-mail max.litoral@outlook.com  com as informações referente aos pré-requisito

Estágios - Alunos de Comércio Exterior

·         Nome do curso desejado: Comércio Exterior

·         Localidade: Santos

·         Semestre que o Aluno esteja cursando: a partir do 1º Semestre (Noturno)

·         Cargo: Estagiário em Auxiliar de Importação/Exportação

·         Dias da semana: Segunda/Terça/Quarta/Quinta/Sexta

·         Horário do Estágio: 09:00 às 17:00 hrs.

·         Horário Disponível para Intervalo: 11:30 às 13:30 hrs.

·        Atividades propostas: Elaboração de planilhas de acompanhamento de importação/exportação, obtenção de presença de carga, montagem documental e atividades relacionadas

·         Valor da Bolsa-Auxílio: R$ 900,00

·         Benefícios oferecidos: Vale Refeição, Vale Transporte e seguro de vida.

·         Meios de contato com a organização interessada:

Enviar currículo, com nome e telefone  para o seguinte e-mail:

                  contato@trindadeaduana.com.br



Estágios - Oportunidade de Estágio - Carrefour - NUBE


Cursos

Estamos com uma ótima oportunidade de estágio para os seus alunos de Nutrição, Engenharia de Alimentos, Medicina Veterinária e Correlatos.
(Conclusão 2º semestre de 2014 ao 2º de 2018)

Atividades


  • Acompanhar a aplicação do RASA ;
  • Fazer averiguação no preenchimento de planilhas de controle de temperatura e recepção;
  • Verificar a aplicação do manual de boas práticas;
  • Verificar a aplicação dos procedimentos operacionais padronizados.

 
Benefícios

A Bolsa Auxílio é de R$ 600,00/mês, em uma empresa de Grande porte no ramo de comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios - Hipermercados, O CARREFOUR, oferece Auxílio Transporte, Restaurante no Local, Assistência Médica, Seguro de Vida, Recesso remunerado e Chance de Efetivação.

Local

Guarujá - SP
Dentro do Supermercado Carrefour
De segunda-feira a sexta-feira - 6h diárias


Para concorrer a oportunidade anote o código OE 83745 e ligue para (11) 4082-9360

www.nube.com.br



Trainees - Programa de Trainee 2014 - Grupo PLUMA


TRAINEE
PROGRAMA TRAINEE DO ABATEDOURO DE AVES ITAQUIRAÍ - FRANGO
BELLO/ FRANGO OURO – 2014

O ABATEDOURO DE AVES ITAQUIRAÍ tem como missão superar as expectativas de clientes e parceiros, produzindo alimentos de qualidade, com responsabilidade social e ambiental. O compromisso que O ABATEDOURO DE AVES ITAQUIRAÍ tem com a qualidade, começa com a escolha de seus profissionais.

O Programa

Objetivo
O programa busca atrair e formar jovens potenciais com valores e comportamento favoráveis a Frango Bello para futuramente assumirem posições dentro da empresa.

Duração
O Programa possui duração de 12 meses.

Início
O Programa inicia em janeiro de 2014.

Remuneração
A remuneração do trainee será definida conforme a área de atuação.

Acompanhamento
O acompanhamento será periódico e individual, tendo supervisão contínua da área de Recursos Humanos e Gestor da área.

O Perfil

Requisitos

Para serem elegíveis ao programa, compõe o perfil os seguintes requisitos:

  • Jovem graduado no máximo a dois anos;
  • Domínio das ferramentas de informática;
  • Disponibilidade de mudança para Itaquiraí ou Aparecida do Taboado - MS;

Tabela de Cursos aceitos no Programa de Trainee

  • Engenharia Elétrica;
  • Engenharia Mecânica;
  • Cursos técnicos nas áreas de.:
  • o Elétrica,
  • o Mecânica,
  • o Montagem e Manutenção;
  • o Afins;

OBS: Não haverá restrição quanto a universidade.

Processo Seletivo

Período
O processo seletivo acontecerá nos meses de novembro e dezembro de 2013, janeiro e junho de 2014.

Método

O processo seletivo considera as seguintes etapas:
1. Inscrição
2. Avaliações (por escrito)
3. Fase Presencial (Entrevista com a Psicóloga e Gestor da área)

Sobre as Atividades
É importante que o candidato participe de todas as etapas do processo seletivo. O candidato que não participar ou concluir uma fase dentro do prazo estipulado, será considerado automaticamente como desistente do processo seletivo.

Bolsa

Nível Técnico
· Valor de R$ 900,00;
· Alojamento;
· Uma refeição diária no Refeitório da Empresa;
· Transporte – Alojamento/ Abatedouro/ Alojamento;
· Cartão alimentação no valor de R$ 100,00;

Graduação em Engenharia
· Valor de R$ 1.500,00;
· Alojamento;
· Uma refeição diária no Refeitório da Empresa;
· Transporte – Alojamento/ Abatedouro/ Alojamento;
· Cartão alimentação no valor de R$ 100,00;

Os currículos deverão ser enviados via e-mail aos três contatos abaixo.:

Ada Oliveira | Supervisora de RH
Abatedouro de Aves Itaquiraí - Frango Ouro - Aparecida do Taboado - MS
Email: recursoshumanos@frangoouro.com.br - Tel: (67) 3565-1233 - www.frangobello.com.br

Janise Fucks Groff | Psicóloga Organizacional
Abatedouro de Aves Itaquiraí - Frango Bello - Itaquiraí - MS
Email: treinamento@frangobello.com.br - Tel: (67) 3476-3421 - www.frangobello.com.br

Luciano André Santin | Gerente de Recursos Humanos
Grupo PLUMA - Dois Vizinhos - PR
Email: santin@plumaagroavicola.com.br - Tel: (46) 3536-8107 - www.plumaagroavicola.com.br

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Emprego - Empresa Multinacional

Empresa multinacional de grande porte, atuando com solidez e credibilidade no ramo de navegação marítima de cargas, oferece vaga:

Assistente Documentação e Exportação I

As atividades que estão no escopo da vaga são:


Objetivo: Emitir, controlar toda a documentação de exportação referente ao serviço de transporte marítimo e executar os demais processos inerentes a função.






A empresa oferece:

Assistência Médica;
Assistência Odontológica;
Seguro de Vida;
Vale transporte;
Vale refeição;
Salário Compatível com o mercado;
Regime de contratação: CLT.

Requisitos:
·  Ensino Superior cursando ou completo em Comércio Exterior, Logística ou correlatas.
·  Desejável Inglês
·  Conhecimentos específicos em Siscomex


Disponibilidade para atuar em período noturno.
Localização: Santos - SP

Contato: Enviar CV para luana.goncalves@csavgroup.com.



sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Estágios - NUBE

Oportunidade de Estágio - 6/12/2013

RAMO DA EMPRESA
Restaurante

CURSOS
Tecnologia em Gastronomia;
Gastronomia.

REQUISITOS
Concluir do 1° semestre de 2014 até o 2° semestre de 2015.

BENEFÍCIOS
Bolsa Auxílio de R$800,00/Mês
Auxílio Transporte;
Seguro de Vida;
Chances de Efetivação;
Recesso Remunerado.

HORÁRIO E LOCAL DE ESTÁGIO
De Segunda a Segunda,das 8h às 14h com 1h de intervalo e com 1 folga
semanal a combinar com a empresa.
Praia Grande
Anote o código: 96759 e ligue para (11) 4082-9360.
Cadastro gratuito e consulta de vagas: www.nube.com.br

Emprego - Programa de Aprimoramento Profissional - PAP - Hospital Guilherme Álvaro

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE
COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE
HOSPITAL GUILHERME ÁLVARO-SANTOS




SELEÇÃO AO PROGRAMA 
DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL - PAP
Edital de Abertura publicado no D.O.E de 03/12/2013 Caderno Executivo- Seção I – Páginas 121/122/123


Poderão inscrever-se os profissionais formados em  2011, 2012 ou que concluirão nível superior em 2013, nas seguintes áreas:

Enfermagem em Neonatal
Farmácia Hospitalar 
Nutrição
Psicologia Hospitalar
Serviço Social

Inscrições: de   05/12/2013 a 20/12/2013
das  09:00 às 13:00h.

Endereço: Rua Dr. Oswaldo Cruz, 197
– Ambulatório - 1º andar
Boqueirão - Santos-SP
(Seção Técnica de Recrutamento e Seleção)

Para a inscrição
O candidato deverá preencher a ficha de inscrição dentro do período e local acima, munido do original e cópia da cédula de identidade  e CPF.


TAXA DE INSCRIÇÃO ISENTA
Informações:13-3202-1382/1315


Organização
Diretoria Técnica de Recursos Humanos
Seção Técnica de Recrutamento e Seleção



PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO
PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL NA ÁREA DA SAÚDE – PAP - 2014

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE - SES-SP
FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO - FUNDAP
Hospital “Guilherme Álvaro” em Santos

Edital de Abertura de Inscrições – PAP 2014

O Hospital Guilherme Álvaro torna público a abertura de inscrições para o Processo Seletivo para o preenchimento de vagas do Programa de Aprimoramento Profissional na Área da Saúde - PAP, a serem oferecidas em 2014 para profissionais e estudantes que concluíram a graduação de dezembro de 2011 até dezembro de 2013, com bolsas de estudo fornecidas pela SES-SP (número de bolsas a ser definido) e sob administração da FUNDAP, nos seguintes Programas:

Nome do Programa
Público alvo
Duração
(anos)
ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA

ENFERMEIRO

01
FARMÁCIA HOSPITALAR
FARMÁCIA
01
NUTRIÇÃO
NUTRICIONISTA
01
PSICOLOGIA HOSPITALAR
PSICOLOGO
01
SERVIÇO SOCIAL
ASSISTENTE SOCIAL
01

I – DAS INSTRUÇÕES
1.1.               As instruções gerais relativas ao Processo Seletivo para o Programa de Aprimoramento Profissional – 2014 serão divulgadas no Diário Oficial do Estado de São Paulo (DOE-SP) - Poder Executivo - Seção I.

1.2.               Instruções especiais que regem este Processo Seletivo, sobre as quais o candidato não poderá alegar qualquer espécie de desconhecimento.

1.3.               Apresentação sobre os 05(cinco) programas oferecidos, suas características, temário básico e bibliografia, constam no Anexo I.

II - DAS VAGAS/BOLSAS DE ESTUDO E DA CARGA HORÁRIA
2.1.              O número de vagas a serem oferecidas corresponde ao número de bolsas de estudo que será definido pela SES - SP e será publicado no Edital de Resultado Final e Convocação para a Matrícula.

2.2.               A carga horária mínima prevista para cada programa de 1 (um) ano é de 1760 horas correspondendo a 40 horas semanais.

2.3.               O valor bruto da bolsa de estudo é de R$ 1.044,70 (hum mil, quarenta e quatro reais, setenta centavos) por mês –base agosto 2013, fixada pela SES - SP.

2.4.               Incidirá sobre o valor bruto da bolsa de estudo o desconto da contribuição previdenciária e/ou quaisquer outros previstos em Lei.

2.5.               Durante o curso, o aprimorando não poderá ter vínculo empregatício com instituições que recebam recursos do Sistema Único de Saúde – SUS, conforme dispõe a Resolução nº 05/02 - FUNDAP.

III - DA INSCRIÇÃO
3.1.               A inscrição do candidato implicará o conhecimento e a tácita aceitação das normas e condições estabelecidas neste Edital, sobre as quais não poderá alegar qualquer espécie de desconhecimento.
3.1.1.          O deferimento da inscrição dar-se-á mediante o total e o correto preenchimento da ficha de inscrição.
3.1. 2.         No ato da inscrição, o candidato deverá optar por apenas um dos programas constantes no Anexo I.
3.2.               Ao efetivar a inscrição, o candidato, sob as penas da lei, assume que:
3.2.1. se já freqüentou qualquer Programa de Aprimoramento Profissional – PAP da SES - SP, desistiu da bolsa antes de encerrado o prazo oficial para o preenchimento da vaga;
3.2.2. é brasileiro, nato ou naturalizado, ou gozar das prerrogativas previstas no artigo 12 da Constituição Federal e demais disposições de lei;
3.2.3. quando do sexo masculino ter cumprido as obrigações com o Serviço Militar;
3.2.4. votou na última eleição ou justificou nos termos da lei;
3.2.5. está habilitado para o exercício profissional;
3.2.6. concluirá o curso superior em Instituição de Ensino  reconhecidos pelo MEC até Dezembro de 2013;
3.2.7. possuirá o registro no respectivo Conselho Regional do Estado de São Paulo ou protocolo de inscrição ou equivalente na data da matrícula.

3.3. As inscrições deverão ser realizadas, no período de 05/12/2013 à 20/12/2013  (exceto sábados, domingos) no horário das 9:00h às 13:00h, horas) no Serviço de Recursos Humanos do Hospital “Guilherme Álvaro” , situado  na Rua Oswaldo Cruz, 197 – Ambulatório -1º andar - Boqueirão – Santos/SP, Cep.: 11045-904.

3.3.1. A inscrição deverá ser feita mediante o correto preenchimento da ficha de inscrição.
3.3.2 No caso de inscrição por procuração, deverão ser apresentados o instrumento de mandato pública, documento de identidade do procurador e cópia do documento de identidade do candidato.

3.4. Será dada acessibilidade aos candidatos portadores de deficiência ou com condições especiais, mediante especificação na ficha de inscrição.
3.4.1. O candidato que não identificar ou deixar de especificar o tipo/condição ou necessidade especial na ficha de inscrição, não terá sua prova especial preparada e/ou as condições especiais providenciadas, seja qual for o motivo alegado.

3.4.2. O atendimento às condições especiais pleiteadas ficará sujeito à análise de razoabilidade do solicitado;

3.5. Não serão aceitas inscrições via postal.

3.6. As informações prestadas na ficha de inscrição são de inteira responsabilidade do candidato, podendo o Hospital Guilherme Álvaro, excluir do Processo Seletivo aquele que apresentar dados incorretos ou inverídicos.

3.7. Efetivada a opção do Programa, não será aceito pedido de transferência de Programa, nesta ou em qualquer outra fase do Processo.

3.8. O candidato que necessitar de prova especial e/ou de condição especial para realizar a prova deverá requerê-la, anexando laudo médico, no ato da inscrição;

3.8.1. O atendimento às condições especiais pleiteadas ficará sujeito à análise de razoabilidade do solicitado;

3.8.2. Para efeito do prazo estipulado neste item, será considerada a data de recebimento
        da solicitação.

3.8.3. O candidato que não proceder conforme o estabelecido neste subitem, não terá a sua prova especial preparada e/ou as condições especiais providenciadas, seja qual for o motivo alegado.

3.9. O candidato deverá a partir de 13/01/2014, consultar o Edital de Convocação para Primeira Fase – Prova Objetiva, que será publicado no DOE – SP e afixado no local de inscrição, para constatar eventual irregularidade.

3.9.1. Constatada(s) irregularidade(s), o candidato deverá contatar a Coordenação do Processo Seletivo – por telefone (13) 32021382 ou por email: hgasrs@gmail.com,) , nas seguintes datas: 14/01/2014 e   15/01/2014.

3.10. É de inteira responsabilidade do candidato, acompanhar e conferir os dados, prazos e datas previstas neste Edital, não podendo ser alegada qualquer espécie de desconhecimento.

IV – DO PROCESSO SELETIVO

4.1. O Processo Seletivo constará de duas fases:
4.1.1. Primeira Fase - Prova Objetiva;
4.1.2. Segunda Fase – Análise do Curriculum vitae (com Entrevista)


V – DA REALIZAÇÃO DAS PROVAS

5.1. Primeira Fase - Prova Objetiva
5.1.1. Tem data de realização prevista para 19/01/2014, 9:00h, Local: na cidade de Santos– SP, em local e horário a serem divulgados aos candidatos, por meio de publicação do Edital de Convocação para Primeira Fase - Prova Objetiva, no DOE-SP, afixado na Unidade  partir de 13/01/2014
5.1.2. É de caráter eliminatório e classificatório, será composta de 40 questões de múltipla escolha, com 4 alternativas cada uma;
5.1.3. A prova terá duração improrrogável de 2 horas e 30 minutos;
5.1.4. É de inteira responsabilidade do candidato o acompanhamento da publicação, não podendo ser alegada qualquer espécie de desconhecimento.
5.1.5. O candidato deverá chegar ao local da prova com antecedência mínima de 15 (quinze) minutos antes do horário estabelecido para o seu início, não sendo admitidos retardatários sob hipótese alguma.
5.1.6. O candidato deverá estar munido de um dos seguintes documentos originais, com foto e dentro do prazo de validade: Cédula de Identidade, Carteira dos Conselhos de Classe, Carteira de Trabalho e Previdência Social, Certificado de Alistamento Militar, Carteira Nacional de Habilitação (na forma da Lei nº. 9.503/97) ou Passaporte.
5.1.6.1. Não será aceita cópia de documentos, ainda que autenticada: Protocolos, Certidão de Nascimento, Título Eleitoral, Carteira de Estudante, Crachá e Identidade Funcional de natureza pública ou privada, não serão aceitos, ainda que sejam originais.
5.1.6.2. O candidato deverá estar munido do comprovante de inscrição, caneta de tinta azul ou preta, lápis preto e borracha.
5.1.7.  Será permitida a utilização de máquina calculadora.
5.1.8. É terminantemente proibida, sob qualquer alegação, a saída do candidato do local do exame antes de decorridos 30 (trinta) minutos do seu início.
5.1.9. O candidato que, eventualmente, necessitar alterar dados cadastrais, por erro de digitação constante no Edital de Convocação para Primeira Fase - Prova Objetiva deverá proceder à correção em formulário específico, devidamente datado e assinado, e entregar ao fiscal no dia da prova.
5.1.9.1. O candidato que não solicitar as correções dos dados pessoais, nos termos do subitem anterior deverá arcar, exclusivamente, com as consequências advindas de sua omissão.
5.1.10. O candidato que queira fazer alguma reclamação ou sugestão deverá procurar a Coordenação, no local em que estiver prestando a prova.
5.1.11. O candidato não poderá ausentar-se da sala de prova, durante a sua realização, sem autorização e acompanhamento do fiscal.
5.1.12. A candidata lactante que necessitar amamentar durante a realização da prova poderá fazê-lo, devendo, para tanto, encaminhar, durante o período de inscrição, por SEDEX ou pessoalmente, à Coordenação do Processo Seletivo, a solicitação com a qualificação completa da candidata e os dados completos do responsável pela guarda da criança durante a prova.
5.1.12.1. No momento da amamentação, a candidata deverá ser acompanhada por uma fiscal.
5.1.12.2. Não haverá compensação do tempo de amamentação à duração da prova da candidata.
5.1.13. Excetuada a situação prevista no subitem anterior, não será permitida a permanência de qualquer acompanhante nas dependências do local de realização de qualquer prova, podendo ocasionar inclusive a não participação do candidato no Processo Seletivo.
5.1.14. Não haverá prorrogação do tempo previsto, para a realização da prova, em virtude de saída do candidato da sala de prova, seja qual for o motivo alegado.
5.1.15. Será excluído do Processo Seletivo o candidato que além das previstas neste Edital:
5.1.15.1. Chegar após o horário estabelecido para o início da prova;
5.1.15.2. Apresentar-se para a prova em outro local que não seja o previsto no Edital de Convocação para Primeira Fase- Prova Objetiva;
5.1.15.3. Não comparecer à prova, seja qual for o motivo alegado;
5.1.15.4. Não apresentar um dos documentos de identificação original, nos termos deste Edital, para a realização da prova;
5.1.15.5. Ausentar-se do local de prova sem o acompanhamento de um fiscal;
5.1.15.6. Ausentar-se do local de prova antes de decorrido o prazo mínimo estabelecido;
5.1.15.7. For surpreendido em comunicação com outras pessoas;
5.1.15.8. Estiver com o telefone celular ligado ou fazendo uso de qualquer tipo de equipamento eletrônico e de comunicação (pager, palm top, relógio com calculadora, calculadora e outros), livros, notas ou impressos não autorizados e fornecidos;
5.1.15.9. Utilizar outros meios ilícitos para a execução da prova;
5.1.15.10. Anotar as respostas em qualquer material que não seja o fornecido;
5.1.15.11. Portar arma de qualquer natureza, mesmo que possua o respectivo porte;
5.1.15.12. Estiver fazendo uso de gorro, chapéu ou boné e óculo de sol;
5.1.15.13. Perturbar, de qualquer modo, a ordem dos trabalhos;
5.1.15.14. Agir com incorreção ou descortesia para com qualquer membro da equipe encarregada da aplicação da prova.
5.1.15. 15.A prova será aplicada somente no endereço divulgado no Edital de Convocação para Primeira Fase - Prova Objetiva, sendo terminantemente proibida a sua realização em outro local, sob qualquer circunstância.
5.1.16. O gabarito da Prova Objetiva - Primeira Fase estará disponível em  lista afixada no Hospital Guilherme Álvaro, localizada no Serviço de Recursos Humanos– Rua Oswaldo Cruz, 197 – Ambulatório -1º andar - Boqueirão –Santos/SP, CEP.: 11045-904, em dias úteis, das 9:00 às 13:00 horas, e  no DOE-SP a partir da data prevista de  20/01/2014.

5.2. Segunda Fase – Análise do Curriculum vitae (com Entrevista)

5.2.1. O candidato deverá a partir 27/01/2014, consultar no DOE-SP ou em lista afixada na Instituição na Rua Oswaldo Cruz, 197 – Ambulatório -1º andar - Boqueirão –Santos/SP, CEP.: 11045-094, em dias úteis, das 9:00 às 13:00 horas. o Edital de Resultado da Prova Objetiva e Convocação para a Segunda Fase - Análise de Curriculum vitae (com Entrevista), não podendo ser alegada qualquer espécie de desconhecimento.
5.2.2. A Análise do Curriculum vitae (com Entrevista) será realizada na cidade de Santos, no período previsto de 03/02/2014 e 04/02/2014, sendo que o(s) horário(s) e local (is) de realização serão divulgados em Edital e lista afixada na Instituição na Rua Oswaldo Cruz, 197 – Ambulatório -1º andar - Boqueirão –Santos/SP, CEP.: 11045-094, em dias úteis, das 9:00 às 13:00 horas, sendo de inteira responsabilidade do candidato o acompanhamento da publicação.
5.2.3. Os candidatos deverão comparecer ao local munidos do Curriculum vitae e dos respectivos comprovantes conforme constante no anexo III com antecedência mínima de 30 (trinta) minutos do horário estabelecido para o seu início, não sendo admitidos retardatários, sob pretexto algum.
5.2.4. O candidato deverá apresentar um dos documentos previstos no subitem 5.1.6.
5.2.5. O candidato deverá neste dia, entregar à banca examinadora o Curriculum vitae conforme o modelo constante do Anexo III, com os respectivos comprovantes (originais em papel timbrado e cópias simples de cada documento).
5.2.6. Será excluído do processo o candidato que, além das demais hipóteses previstas neste Edital:
5.2.6.1. Chegar após o horário estabelecido para a Análise de Curriculum vitae (com Entrevista);
5.2.6.2. Apresentar-se para a Análise de Curriculum vitae (com Entrevista), em outro local que não o previsto no Edital;
5.2.6.3. Não comparecer a Análise de Curriculum vitae (com Entrevista), seja qual for o motivo alegado;
5.2.6.4. Não apresentar um dos documentos de identificação original, nos termos deste Edital, para a realização da Análise de Curriculum vitae (com Entrevista);
5.2.6.5. Perturbar, de qualquer modo, a ordem dos trabalhos;
5.2.6.6. Agir com incorreção ou descortesia para com qualquer membro da equipe encarregada da aplicação da Análise de Curriculum vitae (com Entrevista).

VI – DA PONTUAÇÃO, DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE E DA CLASSIFICAÇÃO.

6.1. Primeira Fase - Prova Objetiva
6.1.1. Serão considerados habilitados para a Segunda fase do Processo, os candidatos que obtiverem pontuação igual ou superior a 50 pontos na prova escrita, não excedendo 5 vezes o número de vagas oferecidas por Programa.

6.2. Segunda Fase - Análise de Curriculum vitae (com Entrevista)
6.2.2. Ao Curriculum vitae poderá ser atribuído até no máximo 30 (trinta) pontos de acordo com os critérios do Anexo III;
6.2.3. A entrevista visa avaliar a desenvoltura, objetividade, postura, fluência verbal, conhecimento e expectativas profissionais e outros critérios específicos das respectivas Bancas Examinadoras de cada Programa, na escala de 0 (zero) a 70 (setenta) pontos;
6.2.4. A nota da segunda fase – será a somatória de pontos da Análise do Curriculum vitae e da Entrevista, totalizando 100,00 (cem pontos);
6.2.5. Os pontos atribuídos a Análise de Curriculum vitae (com Entrevista) serão considerados para efeitos de classificação;
6.2.6. A nota final será determinada pela média aritmética da nota obtida na primeira fase e a nota obtida pela soma dos pontos da segunda fase.

6.3. A não apresentação do Curriculum vitae implicará em não pontuação.

6.4. Em caso de igualdade na pontuação final, terá preferência para efeito de classificação, sucessivamente, o candidato:
6.4.1. com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, nos termos da Lei Federal nº. 10.741/03, entre si e frente aos demais, sendo que será dada preferência ao de idade mais elevada;
6.4.2. que obtiver maior pontuação na prova objetiva;
6.4.3. que obtiver maior pontuação na segunda fase;
6.4.4. for mais idoso dentre os candidatos com idade inferior a 60 (sessenta) anos.

6.5.               Os candidatos deverão, a partir de 07/02/2014 consultar o Edital de Resultado da Segunda Fase - Análise Curriculum vitae (com Entrevista) no DOE ou lista afixada na Instituição na Rua Oswaldo Cruz, 197 – Ambulatório -1º andar - Boqueirão –Santos/SP, CEP.: 11045-094, em dias úteis, das 9:00 às 13:00 horas,  no qual constará apenas a classificação dos candidatos.
6.5.1 É de inteira responsabilidade do candidato o acompanhamento da publicação.
VII - DOS RECURSOS

7.1. Da Primeira fase – Prova Objetiva

7.1.1. O prazo para interposição de recurso será de 2(dois) dias úteis, contados da data da divulgação ou do fato que lhe deu origem;
7.1.2. Não serão aceitos recursos interpostos entregues fora dos prazos estipulados neste Edital.
7.1.3. O recurso deverá ser entregue, pessoalmente, no Hospital Guilherme Álvaro, situado  à Rua Oswaldo Cruz, 197 – Ambulatório -1º andar - Boqueirão –Cep..: 11045-904, Santos/SP, em  27/01/2014 e 28/01/2014, dias úteis, das 9:00 às 13:00 horas,    em 2 (duas) vias de igual teor (original e cópia), devidamente fundamentado e contendo: nome, nº de inscrição, número do documento de identidade, nome do programa, endereço completo, nº de telefone(s) e e-mail de contato, questionamento, embasamento, local, data e assinatura conforme o Anexo III;
7.1.4. No caso de provimento do recurso interposto dentro das especificações, esse poderá, eventualmente, alterar a nota/classificação inicial obtida pelo candidato para uma nota/classificação superior ou inferior ou ainda ocorrer a desclassificação do candidato que não obtiver nota mínima exigida para habilitação.
7.1.5. Se, da avaliação de recurso, resultar em anulação de questão, a pontuação correspondente será creditada a todos os candidatos presentes na prova objetiva, independentemente de terem recorrido.
7.1.6. Será indeferido o recurso interposto fora da forma e dos prazos estipulados neste Edital.
7.1.7. Em hipótese alguma, será aceito pedido de revisão de recurso, recurso de recurso e/ou de gabarito oficial definitivo e do resultado definitivo da prova objetiva.
7.1.8. Não haverá, em hipótese alguma, vistas das provas.

7.2. Da Segunda Fase – Análise Curriculum vitae (com Entrevista)

7.2.1. O prazo para interposição de recurso será de 2(dois) dias úteis, contados da data da divulgação ou do fato que lhe deu origem, devendo, para tanto, o candidato deverá preencher o Anexo III;
7.2.2  Não serão aceitos recursos interpostos entregues fora dos prazos estipulados neste Edital;
7.2.3 O recurso deverá ser entregue, pessoalmente, no hospital Guilherme HHHHHhhjjjjjjHospital Guilherme Álvaro, situado na Rua Oswaldo Cruz, 197 – Ambulatório -1º andar - Boqueirão –Santos/SP, CEP.: 11045-094, em dias úteis, das 9:00 às 13:00 horas, em 07/02/2014 e 10/02/2014 das 9:00 às 13:00 horas, ou, em 2 (duas) vias de igual teor (original e cópia), devidamente fundamentado e contendo: nome, nº de inscrição, número do documento de identidade, nome do programa, endereço completo, nº de telefone(s) e e-mail de contato, questionamento, embasamento, local, data e assinatura conforme o Anexo III
7.2.4. A resposta ao recurso da Segunda Fase – Curriculum vitae (com Entrevista), será divulgada até 13/02/2014, na Instituição Rua Oswaldo Cruz, 197 – Ambulatório -1º andar - Boqueirão –Santos/SP, CEP.: 11045-094, em dias úteis, das 9:00 às 13:00 horas,  e no DOE-SP.;
7.2.5. Para efeito de prazo, será considerado a data do protocolo firmado, no ato da entrega do recurso, pelo (a) candidato;
7.2.6. No caso de provimento do recurso interposto dentro das especificações, esse poderá, eventualmente, alterar a nota/classificação inicial obtida pelo candidato para uma nota/classificação superior ou inferior ou ainda ocorrer a desclassificação do candidato que não obtiver nota mínima exigida para habilitação;
7.2.7. Em hipótese alguma, será aceito pedido de revisão de recurso e recurso de recurso.

VIII – DA CONVOCAÇÃO PARA A MATRÍCULA

8.1. O candidato deverá a partir de 18/02/2014, consultar o Edital - Resultado Final e Convocação para Matrícula, publicado no DOE-SP ou a lista afixada na Instituição situada na Rua Oswaldo Cruz, 197 – Ambulatório -1º andar - Boqueirão –Santos/SP, CEP.: 11045-094, em dias úteis, das 9:00 às 13:00 horas, no Serviço de Recursos Humanos no qual constará a classificação final dos candidatos e as respectivas datas e local para matrícula. É de inteira responsabilidade do candidato o acompanhamento da publicação, não podendo ser alegada qualquer espécie de desconhecimento.

8.2. A matrícula está prevista para os dias 24/02/2014 e 25/02/2014, para cada Programa, com horário e data marcados para cada candidato no Hospital Guilherme Álvaro, situado na Rua Oswaldo Cruz, 197 – Ambulatório -1º andar - Boqueirão –Santos/SP, CEP.: 11045-094, em dias úteis, das 9:00 às 13:00 horas. O candidato deverá estar atento quanto à convocação para a matrícula; uma vez perdido o prazo/data será excluído tacitamente do Processo Seletivo.

8.3. No ato da matrícula, o candidato aprovado/convocado deverá entregar:
8.3.1. 1 (uma) foto 3x4 recente;
8.3.2. 1 (uma) cópia simples e legível do respectivo Conselho Regional de São Paulo ou, conforme o caso, registro na Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de São Paulo (OAB-SP);
8.3.3. Cédula de identidade (RG);
8.3.4. Carteira de vacinação atualizada com esquema de vacinação: dupla adulto, hepatite B, tríplice viral e varicela;
8.3.5. Diploma ou declaração de conclusão de curso de ensino superior em instituição reconhecida pelo Ministério da Educação;
8.3.6. Número do NIT (Número de Identificação do Trabalhador), como contribuinte individual, ou do PIS (Programa de Integração Social) ou do PASEP (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público);
8.3.7. Comprovante de residência atual;
8.3.8. 02 (duas) cópias do CPF próprio regularizado original (somente será aceito o cartão definitivo emitido pela Receita Federal e ativo, não sendo aceito o número do CPF impresso em outros documentos);
8.3.9. Comprovante de alistamento militar, se sexo masculino;
8.3.10. Título de eleitor com o comprovante da última votação.

8.4. A não entrega dos documentos, na data fixada, eliminará o candidato do Processo Seletivo, não podendo matricular-se no Programa, ficando anulados todos os atos decorrentes da inscrição.

8.5. Na hipótese de restarem vagas, serão feitas novas convocações para o seu preenchimento, seguindo a classificação dos candidatos.
8.5.1. As convocações em segunda chamada serão feitas, sucessivamente, exclusivamente  por e-mail ou por telefone, a partir de 26/02/2014.
8.5.2. Os candidatos excedentes, em rigorosa ordem de classificação, poderão ser convocados, para substituir desistentes, até 24 de abril de 2014.
8.5.3. Decorrida essa data, não haverá substituição de candidatos desistentes, ficando automaticamente cessada a validade deste Processo Seletivo.

IX - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

9.1. Haverá exclusão sumária do candidato, quando:
9.1.1. For constatada inexatidão de qualquer informação fornecida pelo candidato durante o Processo Seletivo;
9.1.2. Houver a ausência do candidato em qualquer uma das fases do Processo Seletivo para o Programa de Aprimoramento, qualquer que seja a alegação;
9.1.3. Não comparecer na data de convocação para efetuar a matrícula.

9.2. Não serão fornecidos atestados ou certificados relativos à classificação ou pontuação.

9.3. A validade do Processo Seletivo se esgotará em 24 abril de 2014.

9.4. Os itens deste Edital poderão sofrer eventuais atualizações e/ou retificações, enquanto não consumada a providência ou evento que lhes disser respeito, circunstância que será publicada em Edital no DOE-SP, razão pela qual os candidatos deverão acompanhar sistematicamente esses meios de comunicação, não podendo ser alegada qualquer espécie de desconhecimento.

9.5. O Hospital Guilherme Álvaro se exime das despesas decorrentes de viagens e estadias dos candidatos para comparecimento em quaisquer das fases deste Processo Seletivo.
9.6. O Hospital Guilherme Álvaro não se responsabiliza pela desclassificação do candidato decorrente de:
9.6.1. Perdas de prazo;
9.6.2. Endereço não atualizado, de difícil acesso e/ ou de terceiros;
9.6.4. Correspondência recebida por terceiros;
9.6.5. Objetos esquecidos e/ou danificados nos locais das provas.

9.7. Toda menção a horário neste Edital e em outros atos dele decorrentes terá como referência o horário oficial de Brasília.

9.8. Os casos não previstos neste Edital serão julgados pela Coordenação do Processo Seletivo do Hospital Guilherme Álvaro


Santos, 02 de dezembro de 2013.

Elizama Cabral Vasconcelos dos Santos
Coordenadora do Programa de Aprimoramento Profissional



ANEXO I

PROCESSO SELETIVO DOS PROGRAMAS DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL DO  HOSPITAL GUILHERME ÁLVARO- 2014

PROGRAMAS OFERECIDOS
Enfermagem em Neonatologia
Supervisor Titular – Sira da Silva
Duração do Programa – 01 (um ) ano

1ª PARTE: Descrição do Programa

Público Alvo

O programa de Enfermagem em Neonatologia destina-se a profissionais recém-graduados do curso de Graduação em  Enfermagem para atuarem  na área da saúde publica e hospitalar.
OBJETIVOS
Os objetivos do Programa de Aprimoramento Profissional em Enfermagem em Neonatologia são:
- Capacitar o aprimorando para atuação qualificada e diferenciada nesta área da saúde, promovendo  o   aperfeiçoamento do desempenho profissional na área de Enfermagem Neonatal, tanto na assistência direta ao recém-nascido, como no  gerenciamento dos serviços de  Enfermagem Neonatal;
- Estimular o desenvolvimento de uma visão crítica e abrangente do SUS – Sistema Único de Saúde, orientando sua ação para a melhoria das condições de saúde da população, aperfeiçoando o processo de formação dos aprimorandos, considerando as diretrizes e princípio dos SUS, de modo a desenvolver uma compreensão ampla e integrada das diferentes ações e processos de trabalho da instituição participante do PAP.
Aspectos relevantes do Programa

O programa de aprimoramento é composto por 80% da carga horária destinada a atividades práticas e 20% atividades teóricas.

 O aprimorando de enfermagem em neonatologia será habilitado para prestar assistência ao recém-nascido desde seu nascimento (normal ou patológico) até a sua alta e acompanhamento ambulatorial pós alta. Interagindo com as equipes multidisciplinares dos diversos setores do hospital. Dentro de sua área de especialidade poderá diagnosticar, elaborar e desenvolver um a proposta terapêutica ao recém-nascido e sua família.

A programação teórica didática será desenvolvida mediante seminários, aulas e discussão de artigos científicos  com temas relacionados a assistência ao recém-nascido normal e patológico,preparação para alta hospitalar do binômio mãe bebe, participação da família nos cuidados com o RN ;consulta de enfermagem;gerenciamento de unidade neonatal e a Educação Permanente no dia a dia da Enfermagem  Neonatológica.Enfocando também a pesquisa e produção científica,colaborando para a melhoria da assistência ao serviço publico do SUS.

 As  atividades desenvolvidas pelo aprimorando de Enfermagem Neonatológica são:

1.        Assistência de Enfermagem ao recém-nascido logo após o nascimento no Centro de Parto Normal;
2.        Assistência de Enfermagem ao recém-nascido no alojamento conjunto e alojamento Canguru, prestando cuidados de enfermagem ao binômio mãe – bebe e família, que serão desenvolvidas na Maternidade e Unidade Neonatal;
3.         Assistência de Enfermagem ao recém-nascido Grave, na Unidade Neonatal e Unidade Terapia Intensiva Neonatal e Pediátrica;
4.        Assistência de Enfermagem em todas as etapas da metodologia Canguru,atividades realizadas na unidade Neonatal, maternidade e Ambulatório Baixo Peso;
5.         Assistência de Enfermagem em Banco de Leite;
6.          Participação da Capacitação em Aleitamento Materno e todos os treinamentos propostos dentro da área de Neonatologia;
7.          Realização de todas as etapas da Sistematização da Assistência de Enfermagem( SAE);
8.         Participação no gerenciamento das unidades, em relação a recursos humanos, materiais      e equipamentos;
9.         Supervisão e manuseio de equipamentos hospitalares utilizados em neonatologia;
10.      Acompanhamento e realização de procedimentos técnicos e enfermagem em Neonatologia;
11.      Participação em  Seminários e na elaboração dos mesmos, assim como  na  elaboração de projetos (Trabalho de Conclusão do Aprimoramento- TCA);
12.      Preparação e  Ministração de aulas em parceria com a Educação Permanente na área de Enfermagem Neonatal. Participação em  Palestras sobre Políticas Públicas e Sistema Único de Saúde.
13.      Participação em reuniões com a equipe de Enfermagem , multiprofissional    e da  Comissão do Programa de Aprimoramento- CPA.




2ª PARTE: Conteúdo Programático e Bibliografia para Prova 
PROGRAMA DE ENFERMAGEM  EM NEONATOLOGIA 
Política Nacional de Saúde - PNS
Sistema Único de Saúde.
Política Nacional de Atenção a Saúde da Criança e do Recém- Nascido;
Assistência de Enfermagem à Família;
Sistematização da Assistência de Enfermagem;
Assistência de Enfermagem materno infantil e no Centro de Parto Normal;
Farmacologia aplicada à Enfermagem;
Humanização no atendimento ao cliente;
Ética e legislação profissional;
Gestão em Enfermagem;
Assistência de Enfermagem médico cirúrgico;
Assistência de Enfermagem nas Urgências e Emergências;
Assistência de Enfermagem no cuidado Intensivo Neonatal;
Principais procedimentos técnicos de Enfermagem Neonatológica.

BIBLIOGRAFIA

WHALEY, L. F. & WONG, D.L -  Enfermagem Pediátrica: Elementos Essenciais a Intervenção Efetiva. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1999;
Hockenberry MJ, Wilson D, Winkelstein ML. Wong Fundamentos de Enfermagem Pediátrica.Poderão ser adotados : 7ª ed. São Paulo: Elsevier; 2006. OU Hockenberry MJ Wilson D. Wong Fundamentos de Enfermagem Pediátrica. 8ª ed. São Paulo: Elsevier; 2011;
BRUNNER & SUDDARTH.  - Tratado de Enfermagem Médico Cirúrgico. 11ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2009;
 BRASIL. Ministério da Saúde. Estatuto da Criança e do Adolescente. Ministério da Saúde. 3ª edição. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008.
POTTER, PA & PEREY, AG - Fundamentos da Enfermagem: Conceitos, Processo e Prática. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan. 2006;
ZIEGEL, EE - Enfermagem Obstétrica. 8ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara, 1985;
CASTELLANOS, BP - Injeções: Modos e Métodos. São Paulo. Ática, 1987;
FIGUEIREDO, NMA - Ensinando a cuidar da criança. São Paulo, Difusão 2003;
 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM. Principais Legislação para o exercício da Enfermagem. São Paulo . Coren  2007. Lei do exercício profissional e Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem  atual;
NORMA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO – CVE – 2011;
GUIA SUS DO CIDADÃO WILKER, PRC – Política de Saúde no Brasil- O Sistema Único de Saúde:   Uma  realidade em Construção-1ª edição- HP Comunicação Associados –  2005;
Humaniza SUS: Política Nacional de Humanização .Ministério da Saúde.2004
Sus. O que você precisa saber sobre o Sistema Único de Saúde.São Paulo.Editora Atheneu.2006;
Bretas, José Roberto d Silva et al. Manual de Exame Físico para a pratica de Enfermgem em pediatria 1ª edição.S.P .Iátria.2005;
Kenner, Carole. Enfermgem Neonatal. R.J .Reichamamn e Affonso Editores. 2001;
Cloherty,J.P.et al. Manual de Neonatologia.RJ. Guanabara Koogan.2005;
Rodrigues, M.C.A. Caracterização da assistência   ao RN na RMBS. Dissertação de Mestrado. São Paulo. 2008;
American Heart  Association. Advanced Cardiac Life Suport: instructor manual. New York: Americn Hert association;2002;
Política Nacional de Atenção integral à Saúde da Mulher -Princípios e diretrizes- Ministério da Saúde.2004;
Brasil Lei 8080 de 19 de setembro de 1990. Política Nacional de Saúde-SUS;.
AME. Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem Edição Gold. EPUB 2009/2010.
F. Júnior et AL Cálculo de Medicamento de Enfermagem AB Editora 2006;
REGO; José Dias. Aleitamento Materno 2ª ed. Ed. Atheneu, 2006;
Avery, GB; Fletcher, MA; Macdonald, MG. Avery Neonatologia: Fisiologia e tratamento do recém-nascido. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007;
Brasil, Ministério da Saúde. Recomendações técnicas para o funcionamento de bancos de leite humano. Brasília: Ministério da Saúde; 2001;
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru. 2ª Ed[on line] 2011; Brasília [2011 jun27]
Brasil.  Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual de normas técnicas e rotinas operacionais do programa nacional de triagem neonatal. 2. ed. ampl. [on line] 2004; Brasília [2011jun27]. Disponível em URL:
Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização da Assistência a Saúde. [on line]2006; Brasília:Ministério da Saúde [citado 2011 mar 18].
Carvalho MRC, Tamez RN. Amamentação:bases científicas para a prática profissional. Rio de Janeiro: GuanabaraKoogan;2002.;
Conselho Regional de Enfermagem do Estado de São Paulo - COREN-SP. Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente - REBRAENSP - Polo São Paulo. 10 passos para asegurança do paciente. [on line] 2010; [citado 2011 abr18] Disponível em: http://inter.corensp.gov.br/sites/default/files/10_passos_seguranca_paciente.pdf;
Freitas GF, Oguisso T. Ética no contexto da prática de enfermagem. Rio de Janeiro:Medbook; 2010.;
Harada MJC, Rego RC. Manual de terapia intravenosa em pediatria. São Paulo: Ellu; 2005.;
Hazinki MF, editor. Destaques das diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e
ACE. [on line]. Dallas: American Heart Association; 2010. [citado 2011 abr 18]. Disponível em URL: http://samu.saude.sc.gov.br/images/apoio/samucri.pdf;
Marcondes E, Vaz FAC, Ramos JLA, Okay Y. Pediatria básica: pediatria geral e neonatal. 9a ed. São Paulo: Sarvier; 2002. Tomo I.;
North American Nursing Diagnosis Association. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2009-2011. Porto Alegre: Artmed; 2010.;
Oguisso T. O exercício da enfermagem: uma abordagem ético-legal. Rio de Janeiro: Guanabara- Koogan, 2010.;
Segre CAM, Armellini PA, Marino WT. RN. 5ª ed. São Paulo: Sarvier; 2002.;
Tamez RN. Enfermagem na UTI neonatal: assistência ao recém-nascido de alto risco. 4a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009.;
Wright LM, Leahey M. Enfermeiras e famílias: um guia para a avaliação e intervenção na família. Tradução Silvia Spada. São Paulo: Roca; 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Integral da Criança e a Redução da Mortalidade Infantil: Agenda de compromissos. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2005

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderneta de Saúde. Departamento de Atenção à Saúde. Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. 5ª edição. Brasília: Editora MS, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundo das Nações Unidas para a Infância. Iniciativa Hospital Amigo da Criança: revista atualizada e ampliada para o cuidado integrado: módulo 1: histórico e implementação / Fundo das Nações Unidas para a Infância. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. O SUS de A a Z: garantindo saúde nos municípios. Ministério da Saúde, Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde. 3ª ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da Criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009.


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada – Manual Técnico. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.
SILVA, M. J. P. da. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. São Paulo: Loyola, 2002.



Farmácia Hospitalar
Supervisor Titular – Me. Marly Terezinha Gomes Martins
 Duração do Programa – 01 (um ) ano
1ª PARTE: Descrição do Programa

Público Alvo: Poderão inscrever-se no Programa de Aprimoramento Profissional  os profissionais formados em Farmácia de 2011  até  os que concluirão a formação em 2013.
A programação teórico didática será desenvolvida mediante seminário com temas de farmacovigilância, sistema de distribuição de medicamentos, central de abastecimento farmacêutico, farmacoeconomia, faturamento e orçamento, manipulação de quimioterapia e atendimentos aos pacientes e dispensação ambulatorial de medicamentos de hepatite C.
O aprimoramento será habilitado para administração do ciclo de Assistência Farmacêutica Hospitalar em hospital do sistema público da saúde, tendo como principal objetivo o desenvolvimento de cada fase da assistência farmacêutica adequado ao sistema público de saúde do SUS.
 Haverá entrega de projetos e relatórios mensais, com avaliação, e auto - avaliação do programa e da supervisão, participação em reunião mensal de CCIH E CFT e também o desenvolvimento do TCC.
A formação do farmacêutico no âmbito da saúde pública requer um aprimoramento específico para atuar no hospital e no serviço ambulatorial no SUS.  O trabalho no hospital proporciona e prepara o profissional ao conhecimento específico da Farmácia Hospitalar na Saúde  Pública,  na Ética profissional e no trabalho Interdisciplinar.


2ª PARTE: Conteúdo Programático e Bibliografia para Prova 
PROGRAMA DE FARMÁCIA HOSPITALAR
1-            Organização do serviço de farmácia hospitalar
1.1   Legislação
1.2   Gestão dos serviços
1.3   Seleção de medicamentos
1.4             Gestão de qualidade
1.5             Logística Hospitalar
1.6             Licitação
1.7           Requisitos físicos estruturais para a montagem de uma farmácia hospitalar
2-                Funções
2.1-           Farmacoterapêutica
2.2-           Seguimento Farmacoterapêutico
2.3-           Comunicação do farmacêutico com as equipes de saúde
2.4-           Comissão de Farmácia e Terapêutica
2.5-           Comissão de Infecção Hospitalar
3-                Farmacovigilância
3.1-  Interações medicamentosas
3.2 - Reações adversas a medicamentos
3.3 - Farmacoeconomia
3.4 - Farmacocinética
3.5 - Serviço de informação de medicamentos
4-                Distribuição e Dispensação dos medicamentos
4.1 - Distribuição de medicamentos por dose coletiva
4.2 - Distribuição de medicamentos por dose individuliazada e unitária
4.3 - Cálculos específicos para os sistemas de distribuição
4.4 - Farmácia satélite
5-                Produção de medicamentos na Farmácia Hospitalar (Farmacotécnica)
5.1-  Requisitos físicos estruturais para produção de medicamentos não estéreis
5.2 -  Requisitos físicos estruturais para produção de medicamentos estéreis
5.3 - Fatores relacionados à estabilidade de formas farmacêuticas e à manipulação
  em farmácia hospitalar
5.4 - Estabilidade e incompatibilidade de medicamentos parenterais
6-            Terapia Parenteral
6.1 -  Aspectos clínicos da terapia parenteral
6.2 -  Componentes da terapia parenteral
6.3 - Estabilidade físico-química e microbiológica da solução nutritiva parenteral
7 – Quimioterapia
7.1 -  Aspectos clínicos terapêuticos dos agentes citotóxicos
7.2 Biosegurança no preparo de citotóxicos
8-Ambulatório de Hepatite C, novos medicamentos
8-Política Nacional de Saúde - PNS
9-Sistema Único de Saúde.


                                    BIBLIOGRAFIA
1.        AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Regulamento técnico sobre boas práticas de manipulação de medicamentos em farmácias e seus anexos. Resolução nº 33, de 19 de Abril de 2000.
2.        ANSEL HC; POPOVICH NG; ALLEN LV. Farmacotécnica: Formas Farmacêuticas & Sistemas de Liberação de Fármacos. 6ª Edição. São Paulo, 2000.
3.        BISSON, MP. Farmacia Clínica & Atenção Farmacêutica. Ed. Medfarma. 2003
4.        BRASIL Serviço Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 272/SNVS/MS, de 8 de abril de 1998. Diário Oficial da União, Brasília, 23 abr. 1998. Regulamento técnico para fixar os requisitos mínimos exigidos para a terapia de nutrição parenteral. (Pode ser acessado na URL: http://www.anvisa.gov.br/legis/portarias/index.htm)
5.        BRASIL Serviço Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 2.616/ SNVS de 12 de maio de 1998. Expede, na forma dos anexos I, II, III, IV e V, diretrizes e normas para a prevenção e o controle das infecções hospitalares. (Pode ser acessado na URL: http://www.anvisa.gov.br/legis/portarias/index.htm)
6.        BRASIL ANVISA. Resolução - RDC nº 214, de 12 de dezembrol de 2006 . Aprova o regulamento técnico sobre boas práticas de manipulação de medicamentos em farmácias e seus anexos. (Pode ser acessado na UR L : http://www.anvisa.gov.br/medicamentos/legis/resol.htm)
7.        BRASIL ANVISA- Resolução RDC n.º 45, de 13 de março de 2003.Diário Oficial da União, Brasília, 13 de março de 2003. Aprova o regulamento técnico de boas práticas de utilização de soluções parenterais em serviços de saúde. (Pode ser acessado na URL: http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/index.htm)
8.        BRASIL Ministério da Saúde. Secretaria de assistência à SaúdePortaria SAS n.º 1017, de 23 de dezembro de 2002. Diário Oficial da União, Brasília 23 de dezembro de 2002. Dispõe sobre responsabilidade técnica de farmácia hospitalar no âmbito do SUS.
9.        BRASIL ANVISA -RDC 220, de 21 de setembro de 2004 - aprova o Regulamento técnico de funcionamento dos serviços de terapia
10.     antineoplásica, Diário Oficial da União de 23 de setembro de 2004
11.     CAVALLINI ME, B ISSON MP. Farmácia Hospitalar – Um enfoque em sistemas de saúde. Ed. Manole. 2002.
12.     CASSIANI, SHB , Ueta JA .A Segurança dos Pacientes na Utilização da Medicação. São Paulo. Artes Médicas,2004, 115p.
13.     CONSELHO Federal de Farmácia. A Organização Jurídica da Profissão Farmacêutica. Brasília: Conselho Federal de Farmácia, 2001. (Pode ser acessado na URL: http://www.cff.org.br )
14.     GOMES MJVM, REIS AMM. Ciências Farmacêuticas. Uma abordagem em farmácia hospitalar. Ed. Atheneu, 2001.
15.     GOODMAN & GILMAN. As Bases Farmacológicas da Terapêutica. 10.ed., Rio de Janeiro: Mc- Graw-Hill, 2002, 1647p.
16.     MAIA NETO, JF. Farmácia Hospitalar e suas Interfaces com a Saúde. Rx Editora, São Paulo, 2005, 315 p.
17.     ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE. Proposta de Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica. Brasília: OPAS, 25p, 2002.
18.     Planas ,Maria Cinta Gamundi (Ed). Farmacia Hospitalaria. Madrid :SEFH , 2002 (Disponível em www.sefh.es)
19.     SOBRAFO – Sociedade Brasileira de Farmacêuticos em Oncologia. Guia para o preparo seguro de agentes citotóxicos 2003.
20. STORPIRTIS S,MORI A.L.P.M.,Yochiy A.,Ribeiro E.,Porta V. Farmácia Clínica e
Atenção Farmacêutica. Rio de Janeiro: Editora Koogan,2008. 489p
21. SUS de  A a Z. http://dtr2004.saude.gov.br/susdeaz/
20.     WAITZERG, D.L. Nutrição Enteral e Parenteral na Prática Clínica. 2.ed., São Paulo: Atheneu, 2001, 642p.



[CRH1] Nutrição
 Supervisor Titular – Ana Claudia Freixo Campos
Duração do Programa – 01 ano

1ª PARTE: Descrição do Programa

Público Alvo: Nutricionistas
Capacitar o aprimorando para atualização qualificada e diferenciada na área da saúde, promovendo o aperfeiçoamento do desempenho profissional. Estimular o desenvolvimento de uma visão crítica e abrangente do SUS-Sistema Único de Saúde, orientando sua ação para a melhoria das condições de saúde da população.
Objetivos Específicos:
Aperfeiçoar o profissional nutricionista a identificar os riscos e alterações nutricionais, metabólicas e orgânicas decorrentes da patologia, assim como intervir por meio de condutas nutricionais específicas baseadas em conhecimentos da nutrição básica e de dietoterapia, levando em consideração as condições sócio econômicas, religiosas e culturais dos pacientes e as interações medicamentosas;
Identificar e analisar os métodos de avaliação nutricional(objetivos e/ou  subjetivos) dos pacientes internados;
Aprimorar o atendimento e orientação nutricional individual em grupo e familiar;
Reconhecer a importância do atendimento multiprofissional e ética profissional;
Capacitar o profissional para atuação no Banco de Leite Humano;
Desenvolver estudos de caso, discussão de artigos científicos e apresentações de seminário.

2ª PARTE: Conteúdo Programático e Bibliografia para Prova 

SUS- Política Nacional de Saúde;
Nutrição Clínica;
Ética Profissional;
Nutrição nos Cuidados Paliativos;
Atendimento dietoterápico em ambulatório de gestantes de alto risco;
Pasteurização e classificação do leite humano;
EMTN.

Bibliografia

GUIA SUS do Cidadão.
Brasil, MINISTÉRIO DA SAÚDE – Política Nacional de Atenção Básica, Manual do Usuário 3.0.0.8- M01- Brasília, 2006.
Código de Ética Profissional da Nutrição- Atual.
EUCLIDES,M.P. Nutrição do Lactente-Base científica para uma alimentação adequada, Viçosa-MG, 1977
CUPPARI, L. Nutrição.Guias de medicina ambulatorial e hospitalar UNIFESP/Escola de medicina, Ed.  Manole, 1° edição, 2002.
ALCÂNTARA, P. MARCONDES, E. 9°edição São Paulo, 2003.
Guia Básico de Terapia Nutricional  Manual de Boas Práticas, 2° edição, Ed.Atheneu, DAN L. WAITZBERG, MARIA CAROLINA GONÇALVES DIAS.
SABOTKA , Lubas, et al. Bases da Nutrição Clínica, 3° edição Rio de Janeiro, Editora Rubio, 2008.
Projeto Diretrizes, Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina Volume IX.
MANGNONI, D; CUKIER, C. Perguntas e respostas em Nutrição Clínica, 2° edição, Editora Roca, 2005.
SILVIA,V. G. normas técnicas para banco de leite humano: uma proposta para subsidiar a construção para as boas práticas ..Instituto Fernandes Figueira- Fundação Osvaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2004.
BRASIL. ANVS. Banco de leite humano: funcionamento, prevenção e controle de riscos- Brasília : ANVISA, 2008
         
[CRH2] Psicologia  Hospitalar
 Supervisor Titular –  Me. Eliana Bruno Ferreira de Almeida
 Duração do Programa – 01 (um ) ano
1ª PARTE: Descrição do Programa

Público Alvo: Poderão inscrever-se no Programa de Aprimoramento Profissional os profissionais formados em Psicologia até 2011 ou que concluirão a formação em 2013.

A formação do psicólogo no âmbito da saúde pública requer um aprimoramento específico para atuar no hospital e no serviço ambulatorial no SUS. O profissional que  cumpre o programa está apto a ser contratado por um serviço público,  pois o trabalho no hospital favorece o treinamento em serviço, a compreensão teórica - prática da profissão frente as demandas psicológicas atendidas no hospital, além de proporcionar o conhecimento específico na Saúde  Pública, da Psicologia Hospitalar e Institucional, da Ética profissional e do trabalho Interdisciplinar.
As atividades realizadas pelos aprimorandos do programa de psicologia são:            
  - Visitas nas enfermarias e nos projetos do serviço de psicologia no ambulatório. Leitura e discussão técnica dos projetos anteriores.
- Seminários , participação da elaboração de projetos.
- Conhecimento das enfermarias e nos projetos do serviço de psicologia no ambulatório.
-Leitura e  discussão tecnica dos projetos anteriores.
-Levantamento da bibliografia para elaboração dos seminários e discussão dos projetos  de trabalho e TCC.
-Seminários temáticos realizados pelos aprimorandos de psicologia para o PAP, e profissionais convidados do Hospital.
-Supervisão de área de psicologia.
- Participação em reunião de equipe da psicologia, quando necessário para apresentar os projetos de atendimento.
-Supervisão de Projetos realizados em conjunto com outras áreas do programa de aprimoramento.
-Reuniões com os programas envolvidos com o projeto da Psicologia. 
-Supervisão para implementações de novos projetos e avaliação dos trabalhos que já estão efetivados no Hospital.
- Formação em Aleitamento Materno, realizada pela equipe interdisciplinar do Aleitamento Materno do Hospital Guilherme Álvaro.
- Entrega de Projetos e relatórios mensais, com avaliação, e auto - avaliação do programa e da supervisão.
- Participação em reunião mensal de CPA. (representante do ano).

ATIVIDADES DE ATENDIMENTO DA AREA DE PSICOLOGIA 
Atendimento psicológico nos leitos das enfermarias.
Atendimento psicológico para cuidadores e familiares.
Atendimento de grupo quando necessário nas enfermarias.
Mãe participante (equipe interdisciplinar).
Grupo de Orientação Interdisciplinar para gestantes de risco – Pré natal.
Atendimento psicológico no Ambulatório para os pacientes e/ou família na Nefrologia Pediátrica.
Atendimento psicoprofilático no pré e pós - operatório infantil e na clínica cirúrgica  de adultos.
Atendimento psicológico para famílias.

2ª PARTE: Conteúdo Programático e Bibliografia para Prova

PROGRAMA DE PSICOLOGIA HOSPITALAR

1-Saúde Pública – Sistema Único de Saúde - SUS
2-Políticas Sociais de Saúde
3-Estatuto da Criança e do Adolescente
3-Aconselhamento Psicológico
4-Interdisciplinaridade
5- Psicologia Hospitalar e Psicologia da Saúde
6- Desenvolvimento da Personalidade do Ponto de Vista Psicodinâmico
7- Psicossomática
8- Atendimento Familiar
9- Família e Doença
10- Intervenções Grupais
11- Ética Profissional
12- Cuidados Paliativos.
13- Finitude Humana

BIBLIOGRAFIA DE PSICOLOGIA

ACHCAR, R. O Psicólogo Brasileiro: Práticas emergentes e desafios para a formação, São Paulo : Ed. Casa do Psicólogo, 1999.
ARIES, Philippe. Historia Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: L.T.C, 1981.
BRASIL. Direitos da Criança e do Adolescente. Governo da República Confederativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1999 (ECA).
BRASIL. Sistema único de saúde (SUS), lei federal n º 8.080. 1988.
BRASIL, Código de ética dos profissionais de Psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 1987.
Bleger, José. Psico - Higiene e Psicologia Institucional. Artes Médicas, 1984.
Bleger, José. A Instituição e as Instituições. Casa do Psicólogo, S.P.: 1988.
Bleger , José. Temas de Psicologia: Entrevista e Grupos. Martins Fontes, SP, 1980.
BOWLBY, John. Cuidados Maternos e Saúde Mental. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
CARVALHO, Maria do Carmo Brant de. (org). A Família Contemporânea em debate. São Paulo: Cortez, 1997.
CAMON, V.A. Agerami (org.). E a Psicologia entrou no Hospital. São Paulo: Pioneira,1996.
 ___________________________.A Psicologia Hospitalar, São Paulo: Traço, série Psicoterapias Alternativas vol. I e II, 1984.
Campos, F.C. Braga. Psicologia e Saúde: Repensando Práticas ed. Hucitec-1992.
CERVENY, Ceneide Maria de Oliveira et al. Família e Ciclo Vital. São Paulo:  Casa do Psicólogo, 1997
_________ A Família como modelo, desconstruindo a patologia. São  Paulo: Psy II,
1994.
_________. (org.).  Família e... Comunicação, Divórcio, Mudança, Resiliência, Deficiência, Lei, Bioética, Doença, Religião e Drogadicção. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.
_________. (org.). Família e...  Narrativas, Gênero, Parentalidade, Irmãos, Filhos nos divórcios, Genealogia, História, Estrutura, Violência, Intervenção sistêmica. Rede Social. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006.
CASSORLA, Roosevelt M. S. (coord.). Da Morte – Estudos Brasileiros. Campinas: Papirus Editora, 1991.
COIMBRA & outros. Psicologia, Ética e Direitos Humanos. São Paulo: Casa do Psicólogo, Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2000.
DAHLKE, Rüdiger. A Doença como Linguagem da Alma. São Paulo: Cultrix, 1992.
DETHLEFSEN, Thorwald Et Al. A Doença como Caminho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
FILHO Melo, I e col. Psicossomática Hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.
KALOUSTIAN, Silvio M. (org.). Família Brasileira - a base de tudo. São Paulo: Cortez, 1987.
KOVÁCS, Maria Júlia (coord.). Morte e Desenvolvimento Humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992.
KUBLER ROSS E. Sobre a morte e o Morrer. São Paulo: Martins Fontes, 1989.
MINUCHIM, Salvador. Famílias, funcionamento & tratamento. Porto Alegre: Artmed, 1990.
_________, FISHMAN, Charles H. Técnicas de Terapia Familiar. Porto Alegre: Artmed, 1990.
MORATO, H. T. P. (Org.). BARRETO, C. L. B. T. e NUNES, A. P. (Coord.) Aconselhamento Psicológico numa perspectiva fenomenológica existencial: uma introdução. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.
PITTA, Ana. Hospital Dor e Morte como Ofício. São Paulo: Hucitec, 1991.
REZENDE, Vera L. (org.). Reflexões Sobrevida e Morte. Campinas: Unicamp, 2000.
RIBEIRO, Herval Pina. O Hospital História e Crise. São Paulo: Cortez, 1993.
SARTI, Cyntia Andersen. A Família como Espelho. São Paulo: Cortez, 2003.
STRAUB, Richard O. Psicologia da Saúde. Porto Alegre: Artmed, 2005.
MARTINELLI, M.L. et all. O Uno e o Múltiplo nas Relações entre as Áreas do Saber. São Paulo: Cortez, 1995.
SAMARA, Eni de Mesquita. Família, Mulheres, povoamento. São Paulo: EDUSC, 2003.
ZIMERMAN, D.E. E OSORIO E COL. L.C. Como Trabalhamos com Grupos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.






SERVIÇO SOCIAL
Supervisor Titular:Elizama Cabral Vasconcelos dos Santos
Duração do Programa – 01 (um ) ano

        O conteúdo programático está relacionado com os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde, as políticas sociais e a metodologia do Serviço Social.
        Através do treinamento em serviço será desenvolvida a capacitação profissional em saúde, para a prática profissional competente, visando dar respostas qualificadas às necessidades de saúde apresentadas pelos usuários do SUS; necessidades resultantes das desigualdades sociais existentes na sociedade brasileira.
        A carga horária exigida pelo Programa é de 20% teórica e 80% prática. O atendimento direto aos pacientes e familiares se dará nas enfermarias e ambulatórios deste hospital.

PROGRAMA DE SERVIÇO SOCIAL


* Política Nacional de Saúde. 
* Sistema Único de Saúde.
* Sistema Único de Assistência Social
* Serviço Social e Saúde.
* A Reforma Sanitária e a sua Relação com o Serviço Social.
* A Interdisciplinaridade
* A materialização do Código de Ética do Assistente Social.
* Serviço Social, projeto ético-político e cultura.
* Direitos da Criança e do Adolescente - ECA
* Lei Orgânica da Assistência Social - LOAS
* Metodologia da Pesquisa Científica.
* Elaboração de Planos, Projetos, e Programas.
* A família no campo das Políticas Sociais.
* Fundamentos teóricos e metodológicos do Serviço Social.
* A dimensão técnico-operativa do Serviço Social.
* Instrumental técnico e o Serviço Social.






BIBLIOGRAFIA


Acosta, Ana Rojas ; Vitale, Maria Amália Faller. (orgs). Família: Redes, Laços, e Políticas Públicas. São Paulo: IEE/PUC, São Paulo, Cepam/CENPEC, 2003.
Barroco, Maria Lúcia Silva. Ética e Serviço Social: Fundamentos Ontológicos. – 3. ed. - São Paulo, 2005.
-----------------------------------Código de Ética do/a Assistente Social comentado / Terra. Sylvia Helena; Conselho Federal de Serviço Social – CFESS, (organizador). – São Paulo: Cortez, 2012.
_____ Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei federal - 1990.
_____Lei Orgânica da Assistência Social - Lei 8.742, 1993.
_____Estatuto do Idoso. Lei 10.741, 2003.
_____Política Nacional de Saúde do Idoso. Portaria n 1.395 de 9/12/1999.
Baptista, Myrian Veras; Battini, Odária. (organizadoras). A prática profissional do assistente social : teoria, ação, construção de conhecimento. – São Paulo: Veras Editora, 2009.
Bravo, Maria Inês Souza. et. al.(orgs). Saúde e Serviço Social. São Paulo: ed. Cortez, Rio de Janeiro: UERJ, 2004.
___________________Serviço Social e reforma sanitária: lutas sociais e práticas profissionais. São Paulo: Cortez; Rio de Janeiro: UERJ, 1996.
Carvalho, Maria do Carmo B. (organizadora). Familia Contemporânea em Debate, 2. ed., São Paulo, Cortez, 1997.
Cohn, Amélia et. al., coordenadores Spinola, Aracy Witt de Pinho et al. Pesquisa Social em Saúde. São Paulo. Cortez, 1992.
__________ e outros. A Saúde como Direito e como Serviço. 1ª ed. São Paulo, Cortez, 1997.
Faleiros, Vicente de Paula. Estratégias em Serviço Social. São Paulo, Cortez, 2007.
Foucault, Michel. O nascimento do Hospital. In. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1990.
Gentilli, Raquel.  Representações e práticas: identidade e processo de trabalho no Serviço Social - São Paulo: Veras, 1998.
Guerra, Yolanda. A instrumentalidade do serviço social. 9 ed. – São Paulo: Cortez, 2011.
Iamamoto, Marilda Vilela. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
Martinelli, Maria Lúcia et all. O uno e o múltiplo nas relações entre as áreas do saber. São Paulo: Cortez, 2001.
Minayo, Maria Cecília de Souza. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2001.
Ministério da Saúde. Lei Orgânica da Saúde: Lei n 8080/90.
Mota, Ana Elizabeth. Et. al.(organizadora). Serviço Social e Saúde: Formação e trabalho profissional. 2.ed.-São Paulo: OPAS, OMS, Ministério da Saúde,2007.
Pitta, Ana. Hospital dor e morte como ofício - Ed. Hucitec, São paulo, 1994.
Revistas Serviço Social e Sociedade, nºs 100 até 116.
Santos, Cláudia Mônica dos, Backx, Sheila, Guerra, Yolanda (organizadoras). A dimensão técnico-operativa no serviço social: desafios contemporâneos. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2012.
Vasconcelos, Ana Maria. A prática do Serviço Social: cotidiano, formação e alternativas na área da Saúde. São Paulo: Cortez, 2002.
Moreira, Carlos Felipe Nunes. O Trabalho com grupos em Serviço Social: A dinâmica de grupo como estratégia para reflexão crítica. S.P. Cortez, 2013



ANEXO II
PROCESSO SELETIVO DOS PROGRAMAS DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL DO HOSPITAL GUILHERME ÁLVARO - 2014

MODELO E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO Curriculum vitae


Nome completo:                                                                              Número de inscrição:
Data de Nascimento:                                                                                            Número do documento:
Endereço completo:
Telefone(s):                                                                                                                  E-mail:                                                                              
Graduação em:                                                                                   Ano início:                                              Ano conclusão:
Instituição de Ensino:

Pontuação Máxima
1.        Estágios extracurriculares relacionados à área que se candidata (com declaração emitida pela instituição em papel timbrado)
(3,00 ponto para cada estágio – máximo de 03 estágios – carga horária mínima por estágio = 120 horas)
9,00
2. Participação em Pesquisa concluída (com declaração emitida pela instituição ou pelo pesquisador responsável em papel timbrado) ou publicações relacionadas a projetos de pesquisa, documentados pelo contrato de bolsa de iniciação científica (3,00 ponto para cada trabalho – máximo de 02 trabalhos)
6,00
3. Cursos extracurriculares, ligados à área de formação.
            (com certificado emitido pela instituição em papel timbrado)
            (1,25 ponto para cada curso – máximo de 05 cursos – carga horária mínima por curso = 30 horas)
7,50
4. Participação em Congressos, Seminários, Encontros e outros Eventos, todos da Área de Formação.
     (com certificado emitido pela instituição, em papel timbrado, promotora do evento)
     (1,25 ponto para cada evento – máximo de 05 eventos)
7,50
Total:
30,00

Local e Data                                                                                                                

Assinatura: _______________________________________

Observação: O Curriculum vitae deverá ser entregue pessoalmente, no ato da Curriculum vitae (com Entrevista), com os documentos originais acompanhados de cópias simples (para aferição dos examinadores), dentro de um envelope contendo a seguinte especificação: Programa de Aprimoramento Profissional do Hospital Guilherme Álvaro-2014, com nome do programa e do candidato.


ANEXO III


PROCESSO SELETIVO DOS PROGRAMAS DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL DO HOSPITAL GUILHERME ÁLVARO – SANTOS- 2014

MODELO DE RECURSO


Nome completo:                              

Nº de inscrição:

Número de documento:

Nome do Programa:

Endereço Completo:

Telefone(s):

E-mail:

Questionamento:






Embasamento:





                                                                                                                                                                                                                            Local e Data:




Assinatura: